Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Jovem sofre acidente com óleo quente ao tentar preparar jantar romântico para o namorado

de Merelyn Cerqueira 0

Mercedes Bishop, uma técnica de laboratório, de 22 anos, ficou marcada após um desastre que aconteceu em 2013, no dia dos namorados.

A jovem ficou com 35% do corpo queimado após tropeçar em seu gato enquanto segurava uma panela cheia de óleo quente. Mercedes estava tentando preparar uma refeição romântica para seu novo namorado, Simon Perl, 22, quando aconteceu o acidente. Após dez dolorosos enxertos de pele, hoje ela fala sobre o ocorrido a fim de sensibilizar e ajudar outros sobreviventes de queimaduras.

Em uma entrevista ao britânico Mirror, a jovem contou que estava com Simon há apenas cinco meses e esperou o momento certo para impressioná-lo com o prato que era uma de suas especialidades: rolinhos primavera. No entanto, o óleo da panela estava tão quente que começou a pegar fogo, as chamas, segundo ela, quase tocavam o teto. “Eu sabia que jogar água sobre o óleo só iria piorar as coisas, então eu decidi pegar a panela e levar para fora da cozinha para apagar o fogo com mais segurança”, disse.

No entanto, enquanto caminhava às pressas com a panela, ela tropeçou em Turbo – um gato de 5 anos de idade – e derramou o óleo em chamas sobre seu corpo. “Tinha chamas por todo o meu corpo, eu podia sentir o cheiro da minha pele queimando, foi agonizante”, disse ela. Até este ponto, ela afirma que suas mãos haviam inchado o dobro do tamanho normal e estavam cobertas de bolhas. Suas calças grudaram em sua pele queimada e ela sentia o corpo inteiro pulsar.

queimadura-oleo-de-cozinha_02

Ao gritar por ajuda, felizmente um dos vizinhos veio ao seu socorro e chamou uma ambulância. Dentro de minutos os paramédicos chegaram e enrolaram o corpo da jovem com uma película aderente, a fim de proteger a pele queimada. Mercedes foi levada às pressas para a unidade de queimados do Hospital Middlemore, em Auckland City, Nova Zelândia. “Eu recuperava e perdia a consciência, mas tudo que eu conseguia pensar era como eu tinha arruinado minha refeição romântica com Simon”, disse.

Após ter recuperado completamente a consciência, a jovem foi informada pelos médicos que havia sofrido queimaduras em 35% de seu corpo, e que em 20% delas, precisaram colocar enxertos de pele – que foram retirados de suas costas e usados para substituir a pele em seu braço direito, mão, peito, estômago e coxas. Ao longo de três semanas, ela se submeteu a dez operações dolorosas para remover as camadas de pele queimada.

queimadura-oleo-de-cozinha_01

A recuperação da jovem foi longa. Sem querer perder seus estudos, ela precisou frequentar as aulas vestindo bandagens, além de roupas de compressão que foram usadas 23 horas por dia, nos 18 meses seguintes ao acidente. Ela precisa conviver com o estigma das cicatrizes deixadas pelo acidente, o que abalou sua confiança por um tempo, mas que hoje já são bem aceitas por ela.

Segundo ela, Simon esteve presente todos os dias em que ela esteve hospitalizada. “Ele sempre me dizia que eu estava bonita, o que fazia eu me sentir muito melhor. Ele se sentiu culpado por causa do acidente, mas é claro que não era culpa dele”, disse ela. Eles continuam juntos, e segundo Mercedes: “muito apaixonados”.

Hoje ela trabalha em período parcial em um restaurante manipulando panelas de fritura e espera compartilhar sua história para ajudar outros sobreviventes de queimaduras.

[ Mirror ] [ Foto: Reprodução / Mirror ]

Jornal Ciência