Exoplaneta descoberto pode ser um super-Saturno exilado!

de Bruno Rizzato 0

O exoplaneta HD 106906b é um enorme planeta que, segundo os astrônomos e o mapeamento do espaço atual, não deveria existir. Ele também pode ter um anel em torno de si, tornando-se uma espécie de super-Saturno.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Situado a 300 anos-luz da Terra, e 97 bilhões de quilômetros de sua “estrela-mãe” – quase 22 vezes a distância de Netuno ao Sol -, seu plano orbital é inclinado em um ângulo de 21 graus a partir do interior do sistema planetário. De acordo com os modelos planetários atuais, o exoplaneta não poderia ter se formado no local. Então, os cientistas acreditam que ele tenha sido expulso pela parte interna do seu sistema de estrelas.

Usando a Gemini Planet Imager e o Telescópio Espacial Hubble, os pesquisadores foram capazes de ver um sistema altamente interrompido. O sistema tem um disco de detritos que se estende entre 7 bilhões a até mais de 70 bilhões de quilômetros da estrela. O anel é fino e altamente assimétrico em relação aos polos do exoplaneta HD 106906b, enquanto o disco sobre o outro lado da estrela parece ser significativamente mais curto e grosso.

Os astrônomos acreditam que esta seja uma indicação de que todo o sistema é altamente perturbado, e é possível que, quando o planeta foi empurrado para fora do sistema solar interno, ele “roubou” cometas e materiais para o disco de detritos, que agora orbita em seu entorno. “Nós achamos que o próprio planeta poderia ter capturado o material do cinturão de cometas, e que o planeta está rodeado por um grande anel de poeira ou detritos espaciais. Fizemos três testes e encontramos evidências de uma nuvem de poeira, mas ainda não temos certeza”, disse Paul Kalas, principal autor do estudo, em um comunicado oficial.

No momento, os astrônomos podem dizer que a área mais próxima da estrela não possui detritos, sendo uma indicação de que um possível planeta maciço, ainda não observado no sistema, pode ter sido responsável por interromper o sistema. O planeta precisaria ser significativamente mais maciço do que HD 106906b para ter feito isso, o que seria algo equivalente a 11 vezes a massa de Júpiter.

O sistema é muito jovem, com a estrela HD 106906 tendo apenas 13 milhões de anos. Alguns cientistas pensam que o nosso Sistema Solar passou por processos muito semelhantes, com Júpiter expulsando outro planeta para fora. Uma compreensão mais profunda deste sistema e de outros semelhantes poderia ajudar a entender sobre a formação do nosso próprio sistema.

A pesquisa, publicada no Astrophysical Journal, ainda não é a prova definitiva de que HD 106906b é um super-Saturno exilado. No documento, a equipe deixa claro que um acompanhamento significativo é necessário para validar e identificar o sistema de forma completa.

[ IFLS ] [ Foto: Reprodução / 

Jornal Ciência