É verdade que, psicologicamente, as mulheres têm “inveja do pênis”? Freud explica!

de Merelyn Cerqueira 0

Conhecido como o pai da psicanálise, Sigmund Freud, é autor de muitas teorias e ideias que são bases de diversos estudos psicológicos.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Uma delas, particularmente, fala sobre um conceito chamado de “Inveja de Pênis”, intitulado simplesmente como “feminilidade” em um estudo de 1933. Freud dizia que as mulheres, quando jovens, sentiam inveja do órgão sexual masculino, porque acreditavam que os homens tinham mais prazer sexual com o pênis do que elas com suas próprias vaginas, conforme publicado pela Live Science.

Assim, segundo ele, esta inveja aumentava ao longo do tempo e se manifestava no fato de as meninas criarem laços mais estreitos com o pai – já que existia ali um desejo inconsciente de também ter um pênis. Assim, ao perceberem que o pai não poderia suprir esse anseio, almejavam um novo objetivo: ter um filho do sexo masculino. Isso, segundo Freud, refletia a ideia de que o bebê seria o mais próximo de um pênis que a mulher chegaria a ter.

Contudo, a estrita compreensão dessa teoria ainda gera certa divergência entre especialistas. “Ela é, de certa forma, datada”, disse a assistente social Sara Wells, de Denver, para a Live Science. “Não é mais utilizada em qualquer tipo de léxico sobre saúde mental que estou familiarizada”. Ela ainda afirma que se alguém em seu consultório chegasse afirmando sentir esse tipo de inveja, ela certamente assumiria se tratar de uma brincadeira.

Já para a psicanalista Vanessa H. Lopes, de Nova York, há um certo aspecto simbólico nela, sendo particularmente real. “Nos anos que se seguiram, desde que Freud introduziu sua teoria de inveja do pênis, muitas pessoas têm discutido interpretações ‘não literais’ do conceito. A essência delas é que, as mulheres podem invejar as características de um homem, porque associam estes com poder e status”.

Dessa forma, Wells afirma que essa ideia só faz sentido se soar como uma metáfora, podendo ser comparada ao caso de uma criança que inveja a altura de outra, caracterizando um desejo estético que tem raízes psicológicas. Por exemplo, segundo Lopes, uma menina pode perceber que seu irmão tem mais vantagens na vida, e uma vez que seu pênis é uma das coisas que o torna diferente dela, ela possivelmente expressará algum tipo de “Inveja do Pênis”. “Enquanto o pênis não é um indicador comum de ser um homem, a inveja dele não é necessariamente uma expressão de não-conformidade a identidade de gênero”, disse Lopez.

Para Wells, essa teoria é mais uma solução material do que um complexo mental. Ela advertiu para o fato que esse tipo de fixação pela imagem pode levar a significativos problemas de saúde mental. “A ciência tem mostrado que não existe nenhuma diferença real entre mulheres de seios grandes ou pequenos, de homens com órgãos maiores ou menores”, disse. “Mas, infelizmente, as pessoas ficam presas à essas ideias, podendo se tornar, mentalmente doentes”. Isso geraria problemas emocionais que incluem sentimentos de vulnerabilidade e inadequação.

[ Mega Curioso ] [ Foto: Reprodução / Pixabay ]

Jornal Ciência