Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

É normal não sentir nenhuma vontade de ter relações sexuais?

de Merelyn Cerqueira 0

Qual o número apropriado de relações sexuais que um casal deve ter por semana para alcançar a felicidade ideal em um relacionamento?

Esse ainda é um assunto muito debatido, e cada vez que o sexo é colocado sob o olhar microscópico da ciência, as pessoas passam a questionar o que estão fazendo de certo ou errado. Segundo a professora de saúde sexual, Juliet Ritchers, na Universidade de New South Wales, na Austrália, a teoria de que é normal não sentir vontade de fazer sexo é verdadeira e deve ser respeitada.

Em um estudo, ela examinou esse tipo de interesse e constatou que 25% dos homens e 50% das mulheres não têm relações por um mês a cada ano. Esse fenômeno, por assim dizer, muitas das vezes é malvisto e essas pessoas são socialmente consideradas estranhas. No entanto, é normal não ter relações e tampouco sentir interesse em tê-las? Seria o sexo uma norma do ser humano?

Segundo Ritchers, as pessoas que não sentem necessidade de sexo raramente têm seus desejos despertados e, em alguns casos, nunca. Elas podem passar dias, semanas, meses ou até mesmo anos sem sexo e conviverem normalmente. Ao passo que, para outras, essa abstinência pode significar maior irritação, distração e infelicidade.

Entre elas há ainda as que não têm interesse em se relacionar, mas ainda possuem libido, excitação e praticam a masturbação. Contudo, ainda podem haver pessoas com traços de personalidade autista, em que geralmente há uma certa falta de interesse em relações sociais. Já outras simplesmente não estão cientes da existência de qualquer impulso sexual interno, embora ainda sejam capazes de terem relacionamentos íntimos e até mesmo românticos. 

Em um estudo realizado na Austrália foram entrevistadas mais de 20 mil pessoas entre 16 e 69 anos sobre suas vidas sexuais. Cerca de 6% delas nunca tinham tido relações em que há penetração pênis-vagina. E quase metade delas nunca haviam experimentado qualquer tipo de experiência sexual com outra pessoa – sendo que dois terços delas eram menores de 20 anos. Além disso, menos de 1% – cerca de 70 pessoas – disseram nunca ter se sentido sexualmente atraído por ninguém. Um número que provavelmente é bem maior na população total.

Mesmo entre os casais heterossexuais (o grupo de maior representatividade em questão de volume), a pesquisa mostrou, aproximadamente, que uma em cada seis não tinham tido relações sexuais nas últimas quatro semanas. Essa questão, de acordo com especialista pode estar associada ao medo de que o sexo seja doloroso, a dificuldade de manter uma ereção ou circunstâncias pessoais relativas – como pessoas que não têm a frequência de interesse semelhante ao do parceiro.

A ideia de que todos devem desfrutar do prazer do sexo, e o continue fazendo até a velhice, é recente, de acordo com especialista. Mas esse nem sempre foi o caso. No século 19, muitas pessoas não eram sexualmente ativas, entre elas membros da igreja, forças armadas e serviços domésticos, além dos solteiros. A prática sexual era mais estigmatizada do que atualmente, embora o trabalho sexual fosse muito mais comum. Contudo, nos dias de hoje, a falta de parceiros é vista como o maior problema. Assim, o incômodo para essas pessoas é criado pelo prejulgamento falso de que há, de fato, algo de errado com elas.

[ Fonte: Daily Mail ]

[ Foto: Reprodução / Diário de Biologia ]

Jornal Ciência