Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

Cientistas desenvolvem “segunda pele” sintética que promete esconder completamente os sinais da idade

de Merelyn Cerqueira 0

Ao longo do tempo, doenças, fatores ambientais e o envelhecimento causam efeitos notáveis na nossa pele, o que resulta na perda das funções normais, bem como a sua aparência.

Com isso em mente, pesquisadores do MIT e Harvard desenvolveram uma película sintética, chamada de ‘camada de polímero reticulado’ ou XPL. Com a finalidade de imitar as propriedades de uma pele perfeita, o produto é feito à base de silicone e poderá ser a solução para restaurar uma pele danificada e esconder de vez os sinais da idade.

polimero-de-silicone-revolucionario-XPL

A pesquisa, liderada por Robert Langer, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), desenvolveu um material que pode garantir uma elasticidade específica, contractilidade, aderência e força – uma espécie de “segunda pele”. Ela é aplicada no rosto de forma líquida, sem a necessidade de calor ou luz. Segundo os pesquisadores, a película é capaz de produzir o efeito desejado de desaparecimento de rugas e minimização da aparência das olheiras – e ainda permitir a ‘respiração’ da pele do rosto completamente, sem provocar acne ou obstrução dos poros.

Em uma série de testes, a equipe mostrou que o tratamento melhorou a função da pele em pacientes com pele severamente seca e ainda proporcionou uma aparência mais jovem.

polimero-de-silicone-revolucionario-XPL_01

Os pesquisadores também descobriram que os protótipos poderiam ser esticados em até 250% e voltar ao normal novamente, sem muito esforço. Em 12 voluntários testados, a XPL melhorou, em uma escala de 5 pontos, até dois graus a aparência das bolsas nos olhos. “Após a aplicação da película, imediatamente, cerca de três segundos depois, houve uma clara diferença no recuo da pele”, segundo os especialistas.

Os resultados do estudo, que foi publicado na revista Nature Materials, também confirmaram que a XPL é capaz de proteger a pele contra a perda de umidade excessiva do meio ambiente.

Segundo os pesquisadores, essa tecnologia pode ajudar a restaurar o tecido danificado, podendo ser utilizada como curativos para feridas, por exemplo, permitindo que a pele para pareça e se comporte naturalmente. Além disso, eles acreditam que, no futuro, ela poderá ser implementada com um tratamento de beleza revolucionário.

[ Daily Mail / BBC ] [ Foto: Reprodução / Daily Mail ]

Jornal Ciência