Cientista inventa dispositivo que verifica a saúde do esperma pelo smartphone

de Merelyn Cerqueira 0

Muitos homens podem achar a ideia de fazer um teste de fertilidade estranha ou embaraçosa. No entanto, graças a um grupo de pesquisadores da Universidade de Illinois, em Chicago, EUA, um novo dispositivo pode ser a solução para esse problema.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

Trata-se de uma câmera microscópica projetada para ser anexada a maioria dos smartphones modernos. Ela é capaz de gravar um pequeno vídeo que será suficiente para um especialista verificar o qual saudável é o esperma e ainda baratear os custos do exame clínico.

Uma vez que é anexada ao smartphone, a câmera amplia a imagem até 555 vezes, o que é suficiente para detectar espermatozoides individuais. Assim, a partir desse pequeno vídeo, um médico é capaz de detectar problemas de fertilidade, incluindo baixas contagens de espermatozoides e se eles são lentos.

Todo mundo tem um smartphone agora, e eles possuem boas câmeras”, disse o pesquisador-chefe Yoshitomo Kobori à New Scientist. “Eu pensei que um microscópio de smartphones poderia ser uma maneira fácil de olhar para os problemas relacionados a fertilidade masculina”.

Além da câmera, o pesquisador, que atua na Universidade Koshigaya, no Japão, desenvolveu um conjunto de aplicativos que poderão adicionar mais capacidade à invenção, como diagnósticos instantâneos.

O dispositivo funciona através da gravação de uma pequena quantidade de sêmen, que precisa ser colocado sobre uma folha de plástico e ficar nela por até cinco minutos após a ejaculação. A câmera então é acionada para gravá-lo. Três segundos de vídeo são suficientes para um especialista fazer a contagem e verificar a saúde dos espermatozoides, embora não seja possível avaliar plenamente a capacidade do espermatozoide de fertilizar um óvulo – já que se trata apenas de uma avaliação básica projetada para identificar os potenciais problemas mais óbvios.

O dispositivo já está à venda no Japão e o cientista acredita que em breve estará disponível em outros países. O que poderia ser promissor sobre ele é a taxa de sucesso. Em testes com 50 amostras de sêmen, o sistema de câmera obteve resultados idênticos aos de um software comumente utilizado em clínicas de fertilidade. 

Pode ser útil em algumas partes do mundo que não possuem recursos para oferecer a tecnologia microscópica necessário para a análise de rotina do sêmen”, disse Stuart Lavery, consultor do Hospital Hammersmith no Reino Unido, em entrevista à New Scientist.

As descobertas foram apresentadas na semana passada em uma reunião anual da Sociedade Europeia de Reprodução Humana e Embriologia, na Finlândia.

[ New Scientist ] [ Fotos: Reprodução / Tenga ]

Jornal Ciência