“Bunda líquida”. Conheça a dupla que ficou rica criando o primeiro “cheiro de nádegas” do mundo

de Bruno Rizzato 0

Conheça Alan Whitman e Andrew Masters, que criaram e comercializaram o chamado “Liquid Ass”, que faz qualquer coisa cheirar como um ‘traseiro fétido’.

Jornal Ciência no seu WhatsApp

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número nos seus contatos. Você receberá notícias do Jornal Ciência diretamente no seu celular.

O produto nasceu há alguns anos, quando Whitman estava na escola e seus pais lhe deram um kit de química. Ele usou os ingredientes para inventar um aroma que parecia cheirar como uma “bunda”, segundo ele.

liquid-ass_01

Ele a usou para fazer uma brincadeira com um professor de inglês que não gostava muito, e foi aí que ele percebeu que o que ele tinha em suas mãos era uma arma real.

Mas a mistura não foi útil para ele até cerca de 10 anos atrás, quando estava prestes a ser demitido de uma empresa de fabricação de caminhões. As coisas ficaram muito ruins entre ele e a gestão da empresa, por isso, junto com Masters (seu amigo), ele decidiu que era hora de usar novamente sua arma letal.

liquid-ass_02

A dupla derramou o líquido perto do forno de micro-ondas na sala de descanso do escritório. Todo o local começou a cheirar muito mal e os engenheiros não faziam ideia de onde o cheiro estava vindo. Eles trocaram o bebedouro, substituíram o micro-ondas, tiraram o tapete, e até mesmo fecharam os banheiros, mas nada funcionou. Naturalmente, a dupla não trabalhou na empresa por muito mais tempo, mas eles já sabiam o que iam fazer: comercializar o produto. 

Apesar de terem seus próprios compromissos financeiros, Whitman e Masters uniram fundos para a produção e o marketing. Suas famílias pensaram que eles haviam enlouquecido. A esposa de Whitman foi totalmente contra a ideia, assim como a família de Masters. Mas os criadores acreditavam que o produto poderia fazer sucesso. Agora, dois anos depois, o Liquid Ass tornou-se um enorme sucesso.

liquid-ass_03

Eles recebiam inúmeros pedidos por pessoas que queriam usar o líquido para pregar peças, irritar amigos e se vingar de vizinhos barulhentos. O produto tinha tantas aplicações que Whitman e Masters criaram vários rótulos diferentes para o produto. Curiosamente, o Liquid Ass foi usado não apenas como uma brincadeira, mas também para treinar profissionais da área médica.

O produto é o único trabalho da dupla e já não precisa gastar muito com o marketing, tamanha a popularidade. Whitman, que lida com os e-mails de pedidos, trabalha cerca de uma hora por dia, enquanto Masters, por vezes, não faz nada.

Eles vão para a sua unidade de fabricação na Carolina do Norte cerca de duas vezes por mês para alguma supervisão. “É uma grande vida”, disse Whitman, que enriqueceu com o cheiro desagradável.

[ FonteOddity Central ]

[ Foto: Divulgação ]

Jornal Ciência