Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

5 planetas de nosso Sistema Solar estarão alinhados no céu no próximo mês

de Merelyn Cerqueira 0

Se você tem como hobby a observação do céu ou até mesmo se considera um astrônomo amador, então prepare-se, porque no próximo mês cinco planetas do nosso Sistema Solar – mais especificamente, Mercúrio, Vênus, Marte, Júpiter e Saturno – estarão alinhados no espaço em um fenômeno que poderá ser observado a olho nu.

Os planetas traçarão uma linha ao horizonte, seguindo o Sol poente, segundo o astrônomo Alan Duffy, da Swinburne University of Technology, na Austrália. “Os planetas que se encontram mais próximos do Sol, como Mercúrio e Vênus, serão mais difíceis de serem vistos”, disse. Segundo ele, o melhor é esperar até o crepúsculo desaparecer completamente para que a observação seja feita.

Isso acontece porque todo o Sistema Solar é plano como um velho disco de vinil com os planetas se deslocando ao longo das “ranhuras”. Olhando para fora da Terra, vemos isso como uma linha reta, conhecido como plano da eclíptica, traçado através do céu”, disse Duffy.

No entanto, dependendo da região do mundo onde se está, a melhor data e horário serão diferentes. Segundo ele, quanto mais distante da linha do equador, menor será o tempo de observação até que os planetas desapareçam abaixo do horizonte.

O alinhamento será rápido e ocorrerá na Lua cheia do dia 18 de agosto, entre o momento em que o Sol se põe o suficiente para que as silhuetas dos corpos sejam observáveis. “Por isso, certifique-se de encontrar um lugar escuro e com uma visão mais clara o possível para o lado em que o Sol se põe, ou seja, nenhum edifício ou árvores na frente”, aconselhou.

“O evento deste ano é a sua última chance de ver todos os planetas visíveis juntos no mesmo céu noturno até 2018. É um lembrete do tamanho do Sistema Solar de que estes planetas gigantes – e também pequenos –, que se estendem por enormes distâncias, parecem-nos não mais do que luzes delicadas através do céu”, disse o astrônomo.

[ Science Alert ] [ Foto: Reprodução / Flick ]

Jornal Ciência