Jornal Ciência no seu WhatsApp

 

Clique aqui (61) 98302-6534, mande “olá” e salve nosso número. Você receberá primeiro as notícias do Jornal Ciência em seu celular.

1,2 milhão de espectadores acompanhou momento em que homem tira a própria vida em clínica de suicídio assistido

de Merelyn Cerqueira 0

Simon Binner, 57 anos, sofria de uma condição chamada Doença do Neurônio Motor, no entanto, após receber o diagnóstico decidiu que não queria viver dessa forma.

Porém, o que faz o caso de Simon comovente, é que ele resolveu exibir toda a sua história em um controverso documentário gravado pela BBB Two, chamado “How to Die” (“Como morrer”, em tradução livre). O fato é que ele resolveu registrar até mesmo sua morte em uma clínica de suicídio assistido, na Suíça, ao lado de sua esposa e para mais de 1,2 milhão de espectadores. Obviamente, o documentário gerou opiniões negativas e positivas.

O empresário segura em suas mãos a própria vida.
O empresário segura em suas mãos a própria vida.

A Doença do Neurônio Motor trata-se de uma condição terminal que mata os neurônios motores – células cerebrais responsáveis por enviar mensagens aos músculos do corpo. Só no Reino Unido, há cerca de 5 mil pessoas que vivem com a doença, sendo mais comum em pessoas entre 50 e 70 anos. Os pacientes ficam completamente paralisados, incapazes de falar, engolir e respirar. Na maioria dos casos não há nenhuma causa óbvia, e apenas 10% deles são de origem genética. A expectativa de vida é geralmente de seis meses a cinco anos e o único tratamento licenciado é feito através da administração de drogas que retardam a progressão da doença em até seis meses.

Debbie, esposa de Simon Binner, aguardando os momentos finais.
Debbie, esposa de Simon Binner, aguardando os momentos finais.

Tendo isso em vista, Simon tomou a difícil decisão de encerrar a sua vida, no entanto, deixou uma memória, que para sua esposa foi considerada “bela”, através de um documentário. Além disso, o homem ainda deixou uma mensagem final para esposa em que relatava o seu amor por ela.

O documentário não mostra exatamente (por motivos óbvios) o momento exato da morte, mas mostra Simon sendo colocado em um caixão após o suicídio.
O documentário não mostra (por motivos óbvios) o momento exato da morte, mas mostra Simon sendo colocado em um caixão após o suicídio.

“Oi Debbie, aqui é o Simon, eu te amei muito, muito mesmo Debbie. Eu não merecia você ou Hannah ou Zoe. Tão amorosas e carinhosas, enquanto eu fui um homem mal-humorado durante grande parte do tempo. Mas eu realmente te amo, Debbie. Nós vivemos um casamento divertido e repleto de risadas e realmente somos abençoados por termos encontrado um ao outro. Uma coisa boa é que nós tivemos tempo para falar sobre essas coisas por longos 10 meses, não foi como se você tivesse me perdido em um acidente de carro. Nós realmente dissemos tudo o que precisava ser dito e você tem sido uma esposa verdadeiramente fantástica para mim, Debbie. Eu sei que você me amava e eu sempre te amarei. De qualquer forma, o tempo e a maré não esperam por ninguém. Eu te amo muito, Debbie. Adeus”. 

A declaração, de cortar o coração seguiu o documentário apresentado ao vivo. As câmeras o seguiram, também forneciam imagens que ele gravou com amigos e familiares. Depois, caminhou com ele até a clínica, onde, na véspera de sua morte, mostrou-o desfrutando de uma última refeição e a despedia da família. Em seguida, em 19 de outubro, às 09h38m da manhã, cercado por sua esposa e amigos, tirou a vida com uma injeção letal.

O documentário virou um dos assuntos mais comentados nas redes sociais, internautas alegavam estar profundamente emocionados, enquanto que outros alegavam estar perturbados e traumatizados. A escolha de Simon também chamou atenção de algumas personalidades britânicas, que apoiaram o homem e enviaram condolências à família.

Porém, a cena de sua morte precisou ser interrompida após a emissora receber algumas mensagens de pessoas indignadas e acusações sobre estar promovendo a eutanásia. Sendo assim, o filme é exibido até o momento em que um caixão é levado para dentro da sala, e então, há um corte de imagem e uma tela preta. A censura foi feita porque empresas de radiodifusão são proibidas de dar orientações detalhadas sobre métodos de suicídios. Sendo assim, as imagens do corpo sem vida de Simon e o momento em que ele administra a dose letal foi visto apenas por jornalistas e produtores do programa que realizaram os cortes.

[ Daily Mail ] [ Foto: Reprodução / Daily Mail ]

Jornal Ciência