Jornal Ciência

Conhecimento é tudo.

You are here Universo Diversos Cientista afirma que alienígenas existem e são parecidos com águas-vivas gigantes

Adicionem o Jornal Ciência no Google + :)

Cientista afirma que alienígenas existem e são parecidos com águas-vivas gigantes

Os alienígenas existem sim, é o que afirma uma pesquisadora ‘corajosa’, alegando que são iguais as águas-vivas.

A médica e pesquisadora Alderin-Pocock prevê que os seres extraterrenos flutuem em nuvens de metano, recolhendo nutrientes em suas bocas.

Os alienígenas conseguem manterem-se no ar por meio de “sacos de flutuação”, parecidos com cebolas infladas, e se comunicam utilizando pulsos de luz.

A Dra. Alderin-Pocock é uma importante e respeitada cientista espacial da empresa Astrium Europeia. Ela afirmou ao The Telegraph: “Nossa imaginação é naturalmente limitada por aquilo que vemos ao nosso redor e da sabedoria convencional que acreditamos que a vida só possa existir com carbono e água”.

Mas alguns pesquisadores estão fazendo trabalhos emocionantes, jogando ideias, tais como formas de vida baseadas em silício. Este elemento está abaixo do carbono na tabela periódica, mas possuem várias semelhanças e é amplamente disponível no universo”.

E ela continua: “Então, talvez nós pudéssemos imaginar instruções semelhantes ao DNA, mas com silício. Talvez a vida não tenha que ter DNA”.

Os “alienígenas”, frutos da imaginação da cientista, não conseguiriam sobreviver no planeta Terra, encontrando uma atmosfera úmida e oxigenada. Isso seria algo corrosivo e letal para eles, assim como os humanos não conseguem sobreviver em Titã, por exemplo.

Com base nas descobertas recentes, acredita-se que alguns planetas em órbita de estrelas exóticas possam abrigar vida ou até 4 civilizações extraterrestres inteligentes em nossa própria galáxia. Mas eles estão tão longe que é pouco provável que um dia venhamos a encontrá-los.

A nave espacial Voyager 1, que leva consigo uma gravação de saudação da Terra em diferentes línguas, está viajando no espaço desde 1970 e apenas agora está começando a entrar no espaço profundo”, comentou a pesquisadora. “Para chegar na estrela mais próxima, levaríamos 76.000 anos”.

A cientista está próxima de lançar um livro sobre o assunto que será vendido na Amazon a partir do dia 20 de julho.

>>>Espalhe esta matéria para seus amigos no facebook, twitter ou orkut!

Fonte: The Telegraph Foto: Reprodução/ The Telegraph

Mistério

Fashion

A busca da humanidade por extraterrestres.

O início dos mistérios ufológicos.

Especial

Fashion

Terrível caracol é o

animal mais venenoso

do mundo

Dossiê

Sport

Conheça o animal mais

resistente do mundo,

o Tardígrado!