TOP 7 das descobertas arqueológicas mais apavorantes

de Merelyn Cerqueira 0

descobertas-arqueologicas-mais-apavorantes-2

Grande parte de nosso conhecimento histórico é baseada em importantes descobertas feitas por arqueólogos.

 

Especialistas em desvendar o passado, eles são responsáveis por achados que outrora nos ajudaram a montar livros, bem como a ter uma visão mais próxima de como viveram nossos antepassados. Contudo, no meio dessas descobertas importantes, há também algumas mais bizarras, que você poderá conferir na lista abaixo, publicada originalmente pela Live Science.

 

7- Gladiadores britânicos decapitados na Inglaterra

descobertas-arqueologicas-mais-apavorantes-7

Encontrados na região de York, esses esqueletos pertenceram a homens de alta estatura e que provavelmente morreram ao redor dos 45 anos de idade. Até este ponto podemos dizer que não há nenhuma estranheza no achado. No entanto, tais esqueletos foram enterrados decapitados, mas na companhia de suas próprias cabeças. Historiadores assumem que as ossadas datam de algo entre o segundo e quarto século, quando a região ainda era parte do Império Romano. Eles sugerem ainda que, as características dos homens – como a altura e ocorrência de traumas – possivelmente indicam que eram gladiadores ou militares.

 

6- Traumas de uma guerra pré-histórica no Quênia

descobertas-arqueologicas-mais-apavorantes-6

Possivelmente há 10.000 anos, um evento terrível ocorreu na atual região do Quênia. Cerca de 27 pessoas, entre homens, mulheres e crianças, morreram em razão de uma disputa que não parece ter razões domésticas. As ossadas foram encontradas em 2012, em meio aos sedimentos do lago Turkana, e apresentam lesões feitas com armas simples, como tacos e flechas. A foto, que traz o esqueleto de uma mulher, revela uma morte com requintes de crueldade, como joelhos e mãos quebrados, indicando que ela possivelmente foi torturada antes de morrer.

 

5- Poço da morte na França

descobertas-arqueologicas-mais-apavorantes-5

Em 2012, funcionários de um projeto imobiliário que estava sendo realizado na França descobriram um poço de seis metros de profundidade e 1,5 m de diâmetro no imóvel. A borda do buraco estava repleta de ossos que apresentavam dedos e braços cortados – um sinal de tortura. Os esqueletos, datados em cerca de 5.335 anos atrás, teriam pertencido a homens, mulheres, crianças e até mesmo bebês, possivelmente vítimas de guerras ou simplesmente executados em uma espécie de “justiça neolítica brutal”. Ao total, foram contabilizados sete corpos, incluindo o de um homem de meia-idade que tinha um braço cortado e marcas de golpes na cabeça.

 

4- Teratoma ovariano em Roma

descobertas-arqueologicas-mais-apavorantes-4

Arqueólogos espanhóis assumiram ter desenterrado em Roma o esqueleto de uma mulher que viveu há 1.600 anos. Ao analisarem mais de perto a ossada, eles verificaram que dentro da pelve, espreitando-se entre os quadris, havia uma bolsa de osso calcificada contendo quatro dentes malformados. A condição, conhecida como teratoma ovariano, evidencia um tipo de tumor que surge nas células germinativas – percussoras das células humanas e responsáveis por formar partes do corpo como dentes e ossos. Os arqueólogos acreditam que a mulher pode ter morrido em razão a complicações do tumor.

3- Enterro de vampiros na Polônia

descobertas-arqueologicas-mais-apavorantes-3

Arqueólogos descobriram no cemitério de Drawkso, na Polônia, esqueletos, datados entre 1600 e 1700, de pessoas enterradas com foices sobre seus pescoços ou rochas sobre os queixos. Acredita-se que essa “precaução” tenha sido tomada para evitar que os mortos voltassem à vida na forma de vampiros. Contudo, em 2014, pesquisadores descobriram que essas pessoas possivelmente morreram como vítimas de uma epidemia de cólera.

 

2- Cadáveres de uma guerra civil na Inglaterra

descobertas-arqueologicas-mais-apavorantes-2

Arqueólogos encontraram em uma área próxima à Universidade de Durham, no nordeste da Inglaterra, duas valas comuns com cerca de 1.700 esqueletos possivelmente enterrados no século 16. Ao que tudo indica, eles teriam pertencido a prisioneiros de guerra escoceses, todos militares e entre 13 e 25 anos de idade que foram capturados durante a Terceira Guerra Civil Inglesa, em uma batalha liderada por Oliver Cromwell e o rei Carlos II, e acabaram morrendo em razões de doenças.

 

1- Esqueletos encalhados em Atenas

descobertas-arqueologicas-mais-apavorantes-1

Cerca de 80 esqueletos aparentando ter seus pescoços flexionados e mandíbulas abertas foram encontrados em uma antiga vala próxima a Atenas. Curiosamente, os arqueólogos notaram que eles usavam pesados grilhões, uma forma de corrente de metal composta de anéis em forma de cadeado. Cerca de 36 esqueletos tinham os grilhões de ferro presos aos pulsos. Acredita-se que eles eram prisioneiros mortos em meados de 650 a.C. a 625 a.C., em uma batalha promovida por Cylon, um campeão olímpico que tentou tomar Atenas. Os corpos possivelmente teriam pertencido aos seus seguidores, que foram executados no processo.

[ Live Science ] [ Fotos: Reprodução / Live Science ]