TOP 10 imagens chocantes de como os doentes mentais eram tratados antigamente

de Julia Moretto 0

10-imagens-chocantes-capa

1 – O berço de Utica

10-imagens-chocantes-capa

O berço de Utica foi usado como um berço de madeira ou de metal durante os séculos 19 e 20. Ele era utilizado para cuidar de pacientes psiquiátricos, especialmente no manicômio de locais como Nova York em Utica. A ideia era que pacientes agressivos não tivessem contato. Apesar da ideia ser útil, ela causava diversas consequências quando usada em longo período. Os pacientes sofriam acidentes vasculares cerebrais e ataques cardíacos.

 

2 – Terapia de choque com insulina

Optimized by JPEGmini 3.14.2.84235 0xb0c5dfc5

No início da década de 1920, a insulina era usada como terapia de choque como tratamento psiquiátrico. Nesse processo, os pacientes eram primeiramente tratados com doses baixas de insulina e, posteriormente, aumentando com o tempo. O composto tratava os pacientes, mas devido à alta dose, começava a prejudicar o organismo. Com isso, foram registrados diversos casos de coma e até morte.

3 – A cadeira tranquilizadora

Optimized by JPEGmini 3.14.2.84235 0xb0c5dfc5

O objetivo da cadeira tranquilizadora era hipnotizar ou tranquilizar os pacientes e controlar seu comportamento agressivo ou truculento. O Dr. Benjamin Rush, considerado o “pai da psiquiatria americana”, foi o criador do designer da cadeira. Para ele, essas doenças mentais e distúrbios eram decorrentes do mau funcionamento das artérias. A cadeira controlava o fluxo sanguíneo dentro do corpo humano e afetava o cérebro encolhendo e relaxando todas as artérias. Essa tecnologia deu errado já que a teoria estava incorreta.

 

4 – Terapia de eletrochoque

Optimized by JPEGmini 3.14.2.84235 0xb0c5dfc5

Durante o tratamento de esquizofrenia, o mais comum era a eletroterapia. Nesse procedimento, uma corrente elétrica – em uma quantidade controlada – passa através do cérebro; ela afeta as funções primárias e secundárias e algumas vezes a química total do cérebro. Durante a realização, era projetado um dispositivo que normalmente colocava o psiquiatra no controle de todo o procedimento, mesmo sendo prejudicial aos pacientes. Ela era usada no tratamento de pacientes com distúrbios mentais e outras doenças. Apesar de polêmica, ela ainda é usada até os dias atuais.

5 – Terapia com radiação

Optimized by JPEGmini 3.14.2.84235 0xb0c5dfc5

Durante a década de 1890, com os diversos métodos de tratamento de doenças mentais, os especialistas criaram a terapia de radiação logo após a descoberta do raio-x. Durante esse tratamento, foram poucos pacientes que tiveram um resultado positivo, já que o excesso de raio queima a célula dos tecidos. Já no início dos anos 1900, esta terapia foi utilizada para curar pacientes psiquiátricos, sendo a maioria mulheres.

 

6 – Tratamento com diatermia

Optimized by JPEGmini 3.14.2.84235 0xb0c5dfc5

A diatermia é um processo em que o calor é induzido nos tecidos para o relaxamento muscular. Uma corrente eletromagnética de alta frequência acelera o metabolismo e aumenta o fluxo sanguíneo. O calor diminui o espasmo dos músculos. Esse processo é, tecnicamente, rápido. Este conceito foi criado em 1910 e seus inventores continuaram desenvolvendo e avançando. A diatermia tem três métodos básicos de ultrassom, ondas curtas e micro-ondas. Porém, tem dois tipos comumente usados em cirurgias: a monopolar, em que a corrente é induzida em um eletrodo e a bipolar em que ambos os eletrodos são utilizados.

7 – A cadeira giratória

Optimized by JPEGmini 3.14.2.84235 0xb0c5dfc5

Usado no século XIX, a cadeira giratória era um dispositivo perturbador. Ela foi criada para girar os pacientes horizontalmente e verticalmente conforme as ordens do especialista. Esse método fazia com que os pacientes sofressem com náuseas e vômitos. A cadeira giratória era considerada uma maneira antiética de tratar pacientes psiquiátricos, já que eles precisavam de outros tipos de cuidado. A máquina tinha como objetivo acalmar o doente, de maneira que tirasse a sua consciência.

 

8 – Trepanação

Optimized by JPEGmini 3.14.2.84235 0xb0c5dfc5

Durante esse procedimento os especialistas faziam um buraco no crânio do paciente para curar os possíveis problemas mentais graves e crônicos. Ela foi usada no século 19 em casos em que os médicos não tinham esperanças de recuperação de seus pacientes. O buraco causava danos ao crânio e danificava o cérebro, resultando até mesmo em morte.

9 – Lobotomia

Optimized by JPEGmini 3.14.2.84235 0xb0c5dfc5

As lobotomias eram as operações cirúrgicas feitas para tratar a doença mental buscando as porções específicas do cérebro. O objetivo principal era tratar os nervos problemáticos do cérebro e restaurar as conexões perdidas. Durante a década de 1950, esse foi um dos tratamentos mais procurados para curar transtornos mentais. Para a realização, eram feitos furos no crânio ou eram utilizados soquetes oculares para acessar o cérebro. O método apresentava efeitos colaterais e até mesmo a perda de funções motoras e outros comportamentos erráticos.

 

10 – Isolação em um asilo

Optimized by JPEGmini 3.14.2.84235 0xb0c5dfc5

O conceito de asilo foi criado como um local para colocar os doentes mentais removidos da sociedade. Conforme novos tratamentos surgiam e as doenças mentais eram levadas mais à sério, os asilos começaram a ficar superlotados.

[ Boa Informação ] [ Fotos: Reprodução / Boa Informação ]