Jornal Ciência

Conhecimento é tudo.

You are here Sociedade Bem-Estar Pessoas que se dizem solitárias têm maiores chances de desenvolver demência

Pessoas que se dizem solitárias têm maiores chances de desenvolver demência

Pessoas solitárias podem desenvolver demência com mais facilidade que as outras – mesmo que sejam casadas e tenham amigos.

É o que sugere um estudo da Holanda, publicado na edição de dezembro da Journal of Neurology Neurosurgery and Psychiatry.

13,7% das pessoas mais velhas que se identificaram como solitárias no começo do estudo desenvolveram demência em três anos, enquanto que apenas 5,7% dos participantes não solitários desenvolveram o problema. A solidão, no caso, era caracterizada pela falta de casamento e o isolamento social.

O fato de que ‘se sentir sozinho’ em vez de ‘ser sozinho’ ter sido associado com o começo de demência, sugere que não é a situação objetiva, mas a ausência percebida de vínculos sociais que aumenta o risco de queda cognitiva”, escreveram os pesquisadores ao LiveScience.

Os cientistas ainda não descobriram como exatamente funciona esta ligação. Eles acreditam que talvez os sentimentos de solidão sejam uma reação a menores habilidades de pensamento ou então os solitários carecem de estímulo, e isso afeta os sistemas cerebrais responsáveis pelo pensamento.

Para conduzir o estudo, os pesquisadores do Centro de Saúde Mental Arkin, em Amsterdã, analisaram dados de 2.200 holandeses entre 65 e 86 anos. Eles não tinham demência no começo do estudo. Cerca de 433 pessoas ou 1/5, afirmaram se sentir sozinhas, enquanto que 1.000 moravam sozinhas, 1.100 eram solteiras e quase 1.600 não tinham apoio social, ou seja, a percepção de que as pessoas se importam com ela e que ela é parte de um grupo. As pessoas solitárias são 1,64 vezes mais propensas a desenvolver demência em comparação às não solitárias.

Outros números encontrados pelos cientistas: 9,3% dos que viviam sozinhos desenvolviam demência, contra 5,6% dos que viviam com alguém. Os solteiros tinham 9,2% de chance, contra 5,3% dos casados.

Curiosamente, o quadro se inverte quando se fala em apoio social: os que afirmam tê-lo desenvolveram demência em maior porcentagem que os que não o têm. Os pesquisadores suspeitam que isso se deva ao fato de que os que têm apoio social desenvolvem mais problemas como doenças do coração.

Estudos passados já mostraram que o isolamento social resultava em maior risco de queda cognitiva, em comparação a quem tinha uma extensa rede social. O novo estudo deu um passo à frente ao separar as pessoas que apenas se sentem sozinhas das que realmente são, de acordo com os autores.

Mas eles também reconhecem que a pesquisa foi limitada. Eles não sabiam, por exemplo, se a solidão das pessoas analisadas era recente ou inerente às suas personalidades. Eles defendem que pesquisas futuras devem analisar se a gravidade da solidão delas tem efeito no desenvolvimento da demência.

>>>Espalhe esta matéria para seus amigos no facebook, twitter ou orkut!

Fonte: LiveScience Foto: Reprodução / newclearvision.com

Mistério

Fashion

A busca da humanidade por extraterrestres.

O início dos mistérios ufológicos.

Especial

Fashion

Terrível caracol é o

animal mais venenoso

do mundo

Dossiê

Sport

Conheça o animal mais

resistente do mundo,

o Tardígrado!