Psicopatas cometem crimes violentos por seus cérebros agirem de forma impulsiva

de Julia Moretto 0

tracos-comuns-de-psicopatas-1

Um novo estudo revelou o que leva os psicopatas a cometer crimes violentos. De acordo com a pesquisa, os psicopatas – que muitas vezes são retratados como frios e calculistas – atuam de maneira tenebrosa porque seus cérebros buscam as recompensas de curto prazo.

 

Esta mesma ligação do cérebro também pode levá-los a evitar pensar nas consequências de suas ações, segundo os pesquisadores de Harvard. Um especialista comparou a natureza impulsiva da mente psicótica com a de uma pessoa com compulsão alimentar ou a de um toxicodependente.

 

A ideia é apagar a imagem popular dos psicopatas como monstros e vê-los como seres humanos cujos cérebros estão conectados de maneira diferente. “Eles não são alienígenas, são pessoas que tomam decisões ruins”, disse o autor principal do estudo, Dr. Josh Buckholtz, psicólogo da Universidade de Harvard. O mesmo tipo de tomada de decisão impulsiva que vemos em indivíduos psicopáticos também foi observado em compulsivos e toxicodependentes”.

 

A equipe afirma que as escolhas que os psicopatas fazem são mais importantes para suas ações do que sua “estranheza” emocional estereotipada. “Durante anos, fomos focados na ideia de que os psicopatas são pessoas que não podem ter emoção e é por isso que eles fazem todas essas coisas terríveis”, disse Dr. Buckholtz.

 

A equipe analisou os cérebros de 49 presos em duas prisões de segurança média em Wisconsin. Os presos participaram de um tipo de teste de gratificação e escolheram duas opções: receber uma quantidade menor de dinheiro imediatamente ou uma quantidade maior em um momento posterior.

O que eles descobriram, segundo Dr. Buckholtz, foi que as pessoas que obtiveram alto nível de psicopatia apresentaram maior atividade em uma região chamada estriado ventral – associado ao sentimento de recompensa – para a escolha mais imediata.

 

Portanto, quanto mais psicopata uma pessoa é, maior a magnitude dessa resposta”, disse Dr. Buckholtz. “Isso sugere que as formas como eles calculam as recompensas do valor é desregulamentada – eles pensam no valor da recompensa imediata”.

 

Quando Dr. Buckholtz e colegas começaram a mapear quais regiões do cérebro estão conectadas ao estriado ventral, ficou claro por quê. Quando fizemos isso, descobrimos que as conexões entre o estriado e o córtex pré-frontal medial ventral eram muito mais fracas em pessoas com psicopatia”.

Essa falta de conexão é importante, disse Dr. Buckholtz, porque essa parcela do papel do córtex pré-frontal é considerada importante para o “tempo de viagem mental” – visando as consequências futuras das ações.

 

A maneira como pensamos nisso é se você quebra essa conexão em qualquer um, eles vão começar a fazer escolhas ruins porque não terão a informação que, de outro modo, guiará sua tomada de decisão para fins mais adaptativos”, concluiu.

[ Daily Mail ] [ Foto: Reprodução / Jornal Ciência ]