Pais holandeses exigem testes de DNA dos próprios filhos. O motivo vai chocar você!

de Julia Moretto 0

gravidez_01

O ex-chefe de uma clínica de fertilidade holandesa foi acusado de usar seu próprio esperma no processo, sendo o pai de dezenas de crianças.

 

Vinte e três pais e filhos nascidos através de FIV afirmam que Jan Karbaat, que morreu aos 89 anos no mês passado, usou seu próprio esperma em vez do de doadores escolhidos na clínica de fertilidade que ele dirigia perto da cidade portuária de Roterdã, na Holanda.

 

Karbaat teria admitido ter gerado cerca de 60 crianças em seu tempo na clínica, que fechou em 2009 em meio a relatos de irregularidades. Ao longo dos anos, ele falsificou os dados da clínica, análises, descrições dos doadores e excedeu o número permitido de seis crianças por doador. No entanto, Bijdorp Medical Centre foi um dos maiores bancos de esperma do país nos anos de 1980 e 1990, em um momento em que Karbaat ficou conhecido como “pioneiro no campo da fertilização”.

1

Um grupo de 23 holandeses pediu a um tribunal na sexta-feira para fazerem testes de DNA para ver se Karbaat usou seu próprio esperma. É um direito fundamental saber de onde veio”, disse o advogado das famílias, Tim Bueters, ao tribunal de Roterdã. “É uma questão de identidade, ajuda alguém a formar sua personalidade“, disse ele, pedindo que o tribunal ordenasse provas de DNA para provar se Karbaat era o pai. Bueters destacou algumas inconsistências, como o fato de um de seus clientes ter olhos castanhos quando o doador de esperma era supostamente de olhos azuis, ou que outro cliente do sexo masculino se parecia fisicamente com o médico.

 

Mas Lisette de Haan, advogada da família de Karbaat, respondeu: “Não há a menor evidência de que o Sr. Karbaat seja o doador“. Ela também pediu ao tribunal que respeitasse o direito à privacidade da família de Karbaat e não realizasse qualquer tipo de teste de DNA. Funcionários do tribunal, a pedido das famílias, apreenderam objetos pessoais como uma escova de dentes em sua casa no dia 2 de maio.

Realizar os testes de DNA com ajuda desses objetos seria a opção, mas o tribunal também poderia ordenar um teste com um de seus filhos legítimos ou até mesmo pedir que o corpo fosse exumado. O tribunal divulgará sua decisão em 2 de junho. Moniek Wassenaar, de 36 anos, uma das vítimas e participantes da audiência, contou à imprensa holandesa que Karbaat havia dito a ela que era possível que a criança (de Moniek) fosse seu filho biológico.

 

Segundo ela, ele disse que estava orgulhoso do que tinha feito.“Ele era saudável e inteligente, então poderia compartilhar alguns de seus genes com o mundo. Ele via como algo nobre. Ele não tinha conceito de ética e minimizava o impacto sobre as crianças”, acrescentou.

[ Daily Mail ] [ Fotos: Reprodução / Daily Mail ]