Nunca estoure uma espinha! Homem desenvolve infecção grave depois de “cutucar” espinha com lâmina

de Merelyn Cerqueira 0

nunca-estoure-espinhas_capa

Um homem de Chicago (EUA), de 23 anos e trabalhador da construção civil, desenvolveu uma condição chamada blastomicose após utilizar uma ferramenta de trabalho – uma lâmina de cortar madeira – para estourar uma espinha que crescia próximo de sua boca.

 

O jovem, que não foi identificado, viu sua boca formar o que parecia ser um terceiro lábio e somente após sete meses de infecção ele decidiu procurar ajuda médica, de acordo com informações do Daily Mail.

 

O caso foi descrito pelos dermatologistas do Hospital John H. Stroger Jr., do Condado de Cook, no Journal of Emergency Medicine, onde afirmavam que a infecção incomum foi causada por um fungo conhecido como Blastomyces conidia, responsável pela blastomicose, uma infecção normalmente encontrada em animais que vivem em áreas próximas aos Grandes Lagos, no rio Ohio e Mississippi.

nunca-estoure-espinhas

Apenas 50 casos de blastomicose por inoculação traumática foram registrados até hoje na literatura médica. No entanto, os médicos acreditam que este é provavelmente o primeiro caso notável de infecção provocada por uma lâmina de cortar madeira.

 

O homem não apresentou outros sintomas preocupantes, mas foi aconselhado a não viajar pelos próximos meses ou entrar em contato com pessoas doentes.

 

O que é a blastomicose?

A infecção ocorre normalmente após uma pessoa inalar os esporos do fungo, e é mais comum entre pessoas que trabalham em atividades que perturbam o solo, de acordo com o Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC), nos EUA. Os sintomas geralmente aparecem dentro da terceira semana, e incluem febre, tosse, sudorese noturna, dores musculares e nas articulações e perda de peso.

 

Não esprema suas espinhas!

De acordo com Dr. Cameron Rokhsar, um dermatologista de Nova York, as pessoas não devem espremer suas espinhas, apesar da tentação. Ele advertiu que ao fazê-lo, corre-se o risco de desenvolver infecções ou cicatrizes permanentes difíceis de serem tratadas. Já existiram casos de morte por infecção generalizada após pacientes espremerem! Ele ainda explicou que as espinhas são causadas ​​por três fatores: superprodução de sebo, pele morta e acumulação de bactérias.

 

A pele é coberta de pequenas aberturas chamadas poros, que permitem ao suor e sebo – um composto oleoso que o corpo produz para lubrificar a pele e o cabelo – passar. Logo, quando estes poros são bloqueados pelo sebo, células mortas da pele e bactérias acabam provocando o crescimento das espinhas.

[ Daily Mail ] [ Fotos: Reprodução / Daily Mail ]