A NASA está contratando alguém para defender a Terra de ameaças “alienígenas”; e o salário é ótimo!

de Merelyn Cerqueira 0

NASA-OFERECE-EMPREGO_CAPA

A Agência Espacial dos EUA (NASA) está com uma vaga aberta para um emprego um tanto desafiador – o de “protetor” da Terra.

 

Se este sempre foi o seu sonho, ou se está desempregado e a vaga lhe interessa, saiba que o salário é de até 187 mil dólares (R$ 580.000), mais benefícios. Embora pareça fantasia, o trabalho foi criado após a assinatura do Tratado do Espaço Interior, de 1967. As funções basicamente consistem em garantir que os seres humanos não contaminem planetas, luas e outros objetos espaciais, bem como ajudar a evitar que ameaças “alienígenas”, como micróbios, se espalhem pela Terra. Com informações da Business Insider.

 

O cargo

NASA-OFERECE-EMPREGO
Catharine Conley

Cientistas de todo mundo trabalham duro para nos proteger. Eles se encarregam de estudar uma série de doenças infecciosas e tratamentos efetivos, enquanto outros garantem que drogas, alimentos, veículos ou produtos de consumo popular não nos prejudiquem. Mas, as preocupações da ciência não abrangem apenas o que acontece na Terra – e é por isso que a agência espacial possui essa vaga de “oficial de proteção planetária”.

 

O cargo, que também existe na Agência Espacial Europeia (ESA), desde 2014 é ocupado por Catharine Conley. Entre suas obrigações está a de ajudar a defender a Terra de contaminações de origem espacial e evitar que o mesmo ocorra em mundos que estamos tentando explorar.

Este novo anúncio de trabalho é o resultado da mudança de cargo que atualmente ocupo no Office of Safety and Mission Assurance, que é uma autoridade técnica independente dentro da NASA“, disse Conley ao Business Insider.

 

Quais as funções?

A vaga de oficial de proteção planetária foi criada depois que os EUA ratificaram o Tratado do Espaço Exterior, em 1967, especificamente para apoiar o Artigo IX do documento:

 

“Os Estados Partes no Tratado devem prosseguir os estudos do espaço exterior, incluindo a Lua e outros corpos celestes, e realizar a sua exploração de modo a evitar sua contaminação nociva e também mudanças adversas no meio ambiente da Terra decorrentes da introdução de matéria extraterrestre e, se for caso disso, adotará medidas apropriadas para esse fim”.

 

Parte do acordo afirma que qualquer missão espacial deve ter menos de uma em 10.000 chances de contaminar planetas exteriores.  “É um nível moderado”, explica Conley. “Não é exatamente cuidadoso, mas também não é extremamente negligente”. Por este motivo, o oficial de proteção planetária da NASA deve viajar para centros espaciais de todo o mundo verificando robôs e sondas a fim de garantir que estes limites estejam sendo respeitados.

 

Por exemplo, a NASA recentemente recebeu sinal verde para explorar Europa, uma das luas de Júpiter e com potencial para ser habitada. Embora o objetivo da missão não seja de pousar na lua, mas sim mapeá-la a distância a procura de vestígio de água, ainda assim há uma chance de que o robô ou sonda aterrisse no solo, e é aí que alguém como Conley entra, verificando e mitigando qualquer risco de contaminação.

 

O mesmo ocorre ao contrário. Tome como exemplo Marte, que constantemente é alvo dos cientistas devido à sua semelhança com a Terra. Uma das intenções dos pesquisadores é de recolher amostras do planeta a fim de encontrar evidências de vida. Embora a ideia não envolva a captura de micróbios, apenas fósseis microscópicos, sempre há a chance de contaminação, uma vez que estas amostras seriam enviadas a laboratórios aqui na Terra. Mais uma vez, o papel do oficial de proteção planetária é de estabelecer os equipamentos, protocolos e procedimentos que reduzam esse risco.

 

Requisitos

Se você gostou da vaga e está pensando em se escrever, saiba que um candidato deve ter pelo menos um ano de experiência como funcionário do governo e, obviamente, “conhecimento avançados” em proteção planetária, bem como em Física, Engenharia ou Matemática. Logo, se você não tiver experiência comprovada em planejamento, execução e supervisão de elementos de programas espaciais de significância nacional, então é melhor nem desperdiçar seu tempo tentando.

 

Ainda, o trabalho envolve muita coordenação internacional, o que sugere que o candidato deve demonstrar habilidades avançadas em diplomacia, a fim de criar soluções vantajosas e ganhos multilaterais em situações extremamente complexas. As inscrições estão sendo feitas no USAJobs.gov.

[ Business Insider / Mirror ] [ Fotos: Reprodução / Pixabay / Business Insider ]