Justiça decide desligar aparelhos de bebê em estado terminal

de Gustavo Teixera 0

bebe-estado-terminal-01

No dia 4 de agosto de 2016, Connie Yates, deu à luz a seu filho Charlie em um hospital de Londres, na Inglaterra.Ela e seu marido Chris Gard estavam realizados por segurarem seu primeiro filho no colo.

 

Mas, após algumas semanas, a saúde de Charlie começou a se deteriorar, e Connie e Chris começaram a se preocupar. Com apenas oito semanas de vida, Charlie foi internado no hospital com pneumonia aspirativa. Mas, após os médicos realizarem mais exames, revelaram um diagnóstico pior do que se esperava. Charlie possuía uma condição rara chamada a Síndrome de depleção do DNA mitocondrial (SDM), que é uma doença hereditária que causa grandes danos cerebrais, atrofia muscular, perda de audição, problemas respiratórios e diversas outras questões de saúde.

bebe-estado-terminal-03

Devido ao enorme dano cerebral, Charlie teve que respirar com ajuda de aparelhos para sobreviver.Tendo consciência de que a situação de Charlie nunca iria melhorar, pois se trata de uma doença irreversível, os médicos tiveram que tomar uma decisão difícil. O hospital Great Ormond Street Hospital entrou com um pedido na justiça para não prosseguir dando suporte à vida de Charlie, e transferi-lo para um centro de tratamento paliativo.

bebe-estado-terminal-02

O caso foi para o tribunal e foi julgado em 11 de abril deste ano. O juiz decidiu dar permissão para o hospital deixar Charlie morrer com dignidade e encaminhá-lo para um centro de tratamento paliativo. Os pais de Charlie ficaram chocados com a decisão judicial e fizeram uma publicação no Facebook para desabafar seus sentimentos:

 

Seu filho está doente, você encontra remédios, mas não tem permissão para lhe dar. Você vem lutando há 6 meses para manter seu filho vivo e toda essa luta é reduzida a um dia e uma pessoa. Terça-feira, 11 de abril de 2017, às 14h, é quando o destino de seu filho será decidido… seus direitos de pais podem ser tirados. Sua criança não é nem de perto um bebê normal de 8 meses, MAS ele não está tão mal quanto dizem. Você está orgulhosa do seu filho movendo seus pés e mãos, abrindo seus olhos e movendo sua boca, apesar de ter apenas 1-2% de força muscular. Você se despedaça ao ouvir na corte que ele ‘não faz movimentos significativos’, ‘não consegue respirar porque seu cérebro não funciona’, ‘é cego’, ‘nunca acorda’, ‘está com dor’ – nada disso é verdade!!

 

Você é uma dessas que passa todas as horas acordadas com seu filho… bem mais do que 3.000 horas desde que chegou no hospital. Você conhece seu bebê, sabe quando ele está feliz ou triste, sabe melhor que ninguém ou você não estaria mais lutando! Você jura pela Bíblia na corte e sabe que está dizendo a verdade: ‘Ele não é cego’, ‘ele responde, sim’, ‘ele não está com dor’, ‘ele tem, sim, uma boa qualidade de vida, MAS ele precisa desta chance. A chance para melhorar’, ‘ele não está sofrendo, ou eu não estaria aqui agora’, ‘SUA IRM ESTÁ BOA’, ‘ele deve melhorar’, ‘por favor, confie em nós enquanto pais, nós não o deixaremos sofrer’, ‘ele precisa desta chance.’ 

Charlie, nós estamos imensamente orgulhosos de você e esperamos que tenhamos te deixado orgulhoso por ficarmos ao seu lado e nunca termos desistido, apesar de tudo que tivemos que enfrentar! Nós nunca tivemos tanto estresse em nossas vidas, mas nós faríamos tudo de novo em um piscar de olhos, porque VOCÊ vale cada dor e cada lágrima! Você é nosso bebê e nós somos seus pais e faremos QUALQUER COISA por você! Nós temos o dinheiro, nós temos nossos passaportes, nós conhecemos o médico que tem a medicação… tudo o que você precisa é da chance. Nós não vamos desistir de você porque você tem uma doença rara, não é sua culpa, você não deveria ter que morrer. Eu sinto muito por isso ter que acontecer com você, eu queria poder tomar o seu lugar!! Nós te amamos! Nós vamos lutar por você até o final e rezaremos para podermos segurar sua mão para sempre.

bebe-estado-terminal-04

Obrigado a todos que nos apoiaram. Vocês nos fazem recuperar a fé na humanidade… nós seremos eternamente gratos, seja qual for o desfecho para Charlie, mas nós estamos rezando para que ele tenha sua chance!” Connie e Chris não perderam as esperanças e estão pensando em levar Charlie para os Estados Unidos para tentarem realizar um tratamento experimental que pode prolongar sua vida.

 

Eles também lançaram uma campanha de financiamento coletivo na internet para arrecadar fundos e já conseguiram 1,3 milhão de libras, o equivalente a 5 milhões de reais. Connie e Chris podem ter certeza de que fizeram todo o possível pelo filho quando chegar o fim dessa história.

[ The Guardian ] [ Fotos: Reprodução / The Guardian ]