Infográfico mostra genes antigos em populações modernas

de Julia Moretto 0

infografia

Pode ser fácil esquecer que os seres humanos que vivem na Terra hoje são resultado de uma adaptação gerada por milhares de anos.

 

Sem a tecnologia moderna, nossos antepassados ​​desenvolveram alguns traços extraordinários para ajudá-los a sobreviver. O mais surpreendente é que muitos deles vivem em populações modernas! Eles são às vezes apelidado de traços “sigilo“, visto que eles geralmente não têm representação observável, mas podem fornecer algumas habilidades impressionantes.

 

Como você pode ver, há grupos de pessoas na África, América do Sul e Ásia que são resistentes à malária, graças a uma mutação aleatória em um antepassado. Esta mutação teria feito esse indivíduo mais propenso a sobreviver e se reproduzir, passando o traço até se tornar dominante em uma população.

infografia_2

Nos Andes da América do Sul, bem como em partes do Nepal e da África Oriental, existem grupos modernos que são resistentes aos efeitos das grandes altitudes. As populações indígenas das regiões argentinas dos Andes herdaram uma mutação genética que as torna capazes de beber água subterrânea carregada de arsênio – a água na área foi naturalmente contaminada com lixiviação de arsênico de uma rocha por milhares de anos.

 

Graças a pesquisas recentes, sabemos que nossos antepassados ​​se reproduziram não só com os neandertais, mas também um misterioso grupo conhecido como os “Hominídeos de Denisova”. Eles podem ter vivido ao lado de Homo sapiens e Neandertais na antiga Eurásia entre 100.000 e 60.000 anos atrás. Ambos estão extintos agora, mas pesquisas recentes sugerem que seus genes vivem dentro de alguns grupos.

 

Alguns desses genes não são exatamente úteis. Uma pesquisa no ano passado mostrou que temos vírus do papiloma humano (HPV) moderno e verrugas genitais, graças ao nosso cruzamento com Neandertais. As populações europeias modernas que transportam cerca de 2,8% de DNA de Neandertal também parecem estar em maior risco de problemas de saúde como depressão, ataque cardíaco e uma série de distúrbios cutâneos.

 

Mas alguns traços também podem ser benéficos. Um novo estudo analisou como os modernos Inuítes, que vivem nas condições geladas do Círculo Polar Ártico, são capazes de sobreviver, apesar de passarem pelo menos metade do ano em temperaturas abaixo do nível de congelamento.

 

Os biólogos se perguntam há décadas se essas populações têm adaptações biológicas únicas. Segundo uma pesquisa publicada no Molecular Biology and Evolution, as populações de inuítes da Groelândia contêm variações genéticas que parecem ajudá-las a se adaptar melhor ao frio. Curiosamente, essas variantes provavelmente se originaram dos Hominídeos de Denisova.

Como seres humanos modernos, distribuídos em todo o mundo, eles cruzaram com Hominídeos de Denisova e Neandertais, que já tinha vivido nestes ambientes diferentes há centenas de milhares de anos“, explicou o pesquisador Rasmus Nielsen, da Universidade da Califórnia. “Esta troca de genes pode ter ajudado alguns seres humanos modernos a se adaptar e a conquistar novos ambientes“, completou.

 

Graças às melhorias na tecnologia do DNA, estamos apenas começando a entender como o DNA antigo beneficiou nossos ancestrais e continua a nos afetar hoje.

 

Em 2016, foi revelado que uma espécie de antepassado também pode ter contribuído para o nosso pool genético. Pesquisadores da Universidade do Texas descobriram evidências de DNA em melanésios modernos que parecem pertencer a um antepassado humano desconhecido, mas ainda não há evidências no registro fóssil.

[ Science Alert ] [ Fotos: Reprodução / Science Alert ]