Imagens de flashes misteriosos revelam quão assustador é estar sozinho no Espaço

de Merelyn Cerqueira 0

luzes-azuis_5

Quando os astronautas chegam no espaço, não experimentam apenas uma série de mudanças físicas: a viagem espacial pode ter muitos efeitos que alteram a mente de uma pessoa e alucinações frequentes são extremamente comuns.

 

Imagine o que seria se sentir flutuando a 400 km acima da superfície do nosso planeta, olhando para o vazio do espaço, e por uma fração de segundo, você pensou que viu um flash inexplicável de luz azul brilhante, ou então, algo que parece um relâmpago de cabeça para baixo perfurando a escuridão.

luzes-azuis

Nas primeiras missões do Apollo, os astronautas continuavam vendo flashes regulares ou raios de luz no espaço. Ainda em 2012, o astronauta Don Pettit descreveu essas experiências como “flashes nos meus olhos, como fadas luminosas” que apareceriam “nos confins escuros da minha estação de sono, com as pálpebras caídas do sono“.

 

Embora esses flashes tenham sido explicados como alucinações causadas pela exposição aos raios cósmicos do espaço sideral, às vezes esses breves e misteriosos flashes de luz realmente existem na escuridão. Durante décadas, os astronautas relataram ter visto flashes vermelhos e azuis iluminando o vazio do espaço. Os pilotos alegaram mesmo ver o fenômeno no céu acima das nuvens de tempestade da Terra, referindo-se a eles como fenômenos aéreos inexplicáveis (UAP) durante a Segunda Guerra Mundial.

luzes-azuis_2

Mas até as primeiras imagens do fenômeno incrivelmente raro terem sido capturadas em filme em 1989, os meteorologistas duvidaram que ele existisse, até hoje, ninguém pode explicar como ou por que isso acontece. Agora, graças ao astronauta dinamarquês Andreas Mogensen, que passou 10 dias na Estação Espacial Internacional em setembro de 2015, temos as melhores imagens desses espetáculos de luz. Além disso, temos um novo estudo com todos os detalhes.

 

Não é todos os dias que você começa a capturar um novo fenômeno meteorológico e por isso estou muito satisfeito com o resultado. Agora os investigadores poderão verificar essas tempestades intrigantes com mais detalhes“, disse Mogensen. Filmado acima de uma série de tempestades violentas sobre a Índia, México, Tailândia e Costa Rica, a metragem de Mogensen apresenta colunas raras de descarga elétrica chamados jatos azuis que podem se levantar e sair pelo espaço até 12 quilômetros.

luzes-azuis_3

De acordo com o Instituto Geofísico da Universidade Alaska Fairbanks, jatos azuis se movem a uma velocidade de mais de 360.000 km/h e podem piscar mais de 100 vezes por minuto. A maioria das descargas azuis capturadas por Mogensen foram identificadas entre 18 km e 40 km acima da superfície terrestre na estratosfera superior – a segunda camada principal da atmosfera da Terra.

 

Sua maior duração foi entre 83 e 125 milissegundos. Sem uma câmera potente na mão, você poderia facilmente ver como esses flashes misteriosos poderiam passar como alucinações fugazes. As observações mostram uma multidão de descargas azuis de escala quilométrica na camada superior da nuvem a 18 km de altitude e uma descarga azul pulsante se propagando para a estratosfera atingindo 40 km de altitude“, informou Mogensen. “As pequenas descargas de superfície azul parecem ‘dançar’ no topo da torre de nuvens a uma taxa surpreendentemente alta de cerca de 120 por minuto.

luzes-azuis_4

Desde a filmagem, Mogensen analisou os dados e agora lançou os relatórios mais detalhados de jatos azuis na literatura científica. Mas os pesquisadores ainda estão tentando descobrir exatamente o que são. A melhor explicação que temos agora é que quando um relâmpago carregado negativamente atinge o solo, torna as nuvens acima positivamente carregadas. Isso cria as condições certas para que um jato azul surja.

Esse desequilíbrio elétrico é liberado em rajadas de alta energia que ionizam o nitrogênio para produzir o jato azul“, explicou Mika McKinnon. As descargas elétricas se movem rapidamente, alcançando velocidades de 100 quilômetros por segundo e dissipando-se em um quarto de segundo. No vídeo em tempo real capturado por Mogensen, é muito fácil piscar e perder o jato no topo da tempestade“, explicou.

 

Os jatos azuis pertencem a uma classe de fenômenos naturais conhecidos como eventos luminosos transitórios (TLEs), que incluem sprites vermelhos igualmente brilhantes e misteriosos.

 

Os especialistas ainda não sabem tudo sobre como se constituem, mas eles se formam da mesma maneira que os jatos azuis. “Eles são faíscas criadas na atmosfera superior, bem acima de uma nuvem de tempestade, que segue o raio abaixo da nuvem“, disse Steve Cummer, engenheiro elétrico que estuda raios na Duke University. “A carga [relâmpago] cria um campo elétrico e, quando é grande o suficiente, ele impulsiona uma faísca que se propaga para cima“.

 

A pesquisa foi publicada no Geophysical Research Letters.

[ Science Alert ] [ Fotos: Reprodução / Science Alert ]