Diário revela últimos dias do missionário norte-americano morto por uma das tribos mais isoladas da Terra

de Merelyn Cerqueira 0

John Allen Chau, 27 anos, foi morto em outubro deste ano por membros de uma tribo isolada na remota ilha Sentinela do Norte, parte do arquipélago Andaman e Nicobar, no oceano Índico. Segundo testemunhas, ele teria sido executado a flechadas no momento em que tentou adentrar a área da tribo que não aceita receber estrangeiros.

 

Apesar de seu corpo ainda não ter sido recuperado, o missionário deixou alguns textos em um diário revelando os momentos finais de sua vida. De acordo com informações do The Washington Post, fornecidas pela mãe de Chau, ele escreveu sobre o sentimento de medo que se instalou antes de embarcar em sua última tentativa de contatar uma das tribos mais isoladas do mundo.

Estou com medo”, dizia um dos escritos. “Assistindo o pôr-do-sol e é lindo – chorando um pouco… perguntando se esse será o último pôr-do-sol que verei”. 

 

Chau tentou repetidas vezes entrar por meio de travessias ilegais na ilha Sentinela do Norte, localizada na Baía de Bengala, entre a Índia e Mianmar. Ele contou com a ajudar de pescadores locais em um esforço para espalhar o cristianismo entre a tribo. No entanto, em sua última visita, foi atacado com uma flechada que perfurou uma de suas bíblias.

<A tribo Sentinela costuma se defender com arco e flecha

“Senhor, esta ilha é a última fortaleza de Satanás onde ninguém ouviu ou sequer teve a chance de ouvir seu nome?“, escreveu Chau, sobre a tribo que possui algo entre 50 e 500 pessoas e cujos ancestrais habitaram a região nos últimos 55.000 a 60.000 anos. Todas as informações sobre o local, bem como seus habitantes e costumes, são uma grande incógnita.

 

Estudos genéticos sugerem que os Sentinelas são provavelmente descendentes diretos das primeiras pessoas que se estabeleceram no Sudeste Asiático durante o início do período Paleolítico.

> Ilha Sentinela do Norte: Conheça o lugar mais difícil de visitar no mundo

De acordo com o The Washington Post, os escritos de Chau sugerem que ele era um homem obcecado em levar o Cristianismo para a tribo – uma missão que sabia ser ilegal sob a lei indiana para a proteção dos Sentinelas, que provavelmente morreriam se expostos a doenças modernas.

 

Chau tentou visitar a ilha em quatro ocasiões, sempre contratando barcos de pesca noturnos para evitar a detecção. “O próprio Deus estava nos escondendo da Guarda Costeira e muitas patrulhas”, escreveu, acrescentando que tentou se envolver com as pessoas oferecendo presentes e cantando “canções de adoração”.

Antes de retornar à ilha pela última vez, Chau supostamente deixou 13 páginas escritas em caneta e lápis com os pescadores que o trouxeram para a ilha, mesmo depois de expressar dúvidas sobre sua missão.

 

Eu acho que poderia ser mais útil vivo. . . mas para você, Deus, eu dou toda a glória do que quer que aconteça”, escreveu ele, pedindo a Deus que perdoasse qualquer uma das pessoas da ilha que tentasse lhe matar, “especialmente se tiverem sucesso”.

 

Chau foi deixado pelos pescadores perto da ilha para que pudesse canoar o resto do caminho sozinho. Pouco depois, o missionário foi morto a flechadas pela tribo. Na manhã seguinte, os pescadores viram seu corpo sendo arrastado e enterrado na areia.

 

Autoridades da Índia e das ilhas Andaman e Nicobar estão avaliando sobre a possibilidade de recuperar o corpo de Chau, cuja família pede que a tribo não seja processada e, em vez disso, seja deixada em paz. Os pescadores que transportaram o missionário, por outro lado, foram presos.

LEIA MAIS!

> Ilha Sentinela do Norte: Conheça o lugar mais difícil de visitar no mundo

[ IFL Science / The Washington Post ] [ Fotos: Reprodução / IFL Science ]

deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado

Você pode usar tags e atributos em HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!