Cientistas descobriram exoplaneta tão leve que possui densidade de isopor

de Gustavo Teixera 0

exoplaneta-1

Astrônomos encontraram um exoplaneta maior do que Júpiter, mas com massa extremamente baixa – uma composição que faz com que este misterioso planeta tenha uma densidade muito semelhante à do isopor.

 

A equipe que encontrou KELT-11b, que orbita uma estrela localizada a cerca de 320 anos-luz da Terra, disse que este mundo “extraordinariamente inflado” é o terceiro planeta de menor densidade com uma massa e um raio precisamente medidos. “É altamente inflado, de modo que, embora seja apenas um quinto tão maciço como Júpiter, é quase 40% maior, tornando-se tão denso quanto o isopor, com uma atmosfera extraordinariamente grande”, disse o astrônomo Joshua Pepper da Universidade de Lehigh na Pensilvânia, nos Estados Unidos.

 

Além da densidade incomum de KELT-11b, uma das coisas que faz com que o exoplaneta se destaque é o brilho extremo da sua estrela anfitriã. A estrela, chamada KELT-11, está em processo de evoluir para uma gigante vermelha, ou seja, começou a usar seu combustível nuclear, fundindo o hidrogênio em uma concha fora de seu núcleo. Os cientistas agora preveem que em algum momento dentro dos próximos 100 milhões de anos, KELT-11b vai acabar sendo engolido por sua estrela, com camadas exteriores KELT-11 se expandindo para consumir o planeta.

 

Esse englobamento não demorará muito, já que o planeta fica muito próximo de sua hospedeira, orbitando KELT-11 em menos de cinco dias. Mas antes que o englobamento aconteça, o planeta inchado precisa ensinar os cientistas sobre sua composição atmosférica. KELT-11 é de fato a estrela visível mais brilhante no Hemisfério Sul que é conhecida por hospedar um planeta em trânsito. Esse trânsito é como os astrônomos frequentemente detectam exoplanetas, como vários telescópios espaciais de luz recebem dessas estrelas distantes como o exoplaneta que passou na frente deles.

 

Mas no caso de KELT-11, a luminosidade intensa significava que o mergulho na luz causado pelo trânsito de KELT-11b era dificilmente reconhecível pelos astrônomos usando o levantamento KELT (Kilodegree Extremely Little Telescope) – um par de telescópios robóticos localizados no Arizona e na África do Sul. Esta descoberta foi muito desafiadora. As observações originais da estrela mostraram apenas uma pitada do trânsito”, disse Pepper. Como o trânsito é superficial (pouco menos de 0,3% de mudança de brilho) e longo, foi muito difícil obter observações de confirmação confiáveis ​​e completas”, completou.

Observações subsequentes confirmaram a existência de KELT-11b, e agora o mesmo telescópio de luz que fez sua descoberta tão difícil poderia ajudar a equipe descobrir a composição de sua atmosfera. E isso poderia fornecer pistas sobre como este mundo ficou tão incomumente inflado. Tal como está, KELT-11b é cerca de duas vezes maior do que os cientistas podem explicar, dada a sua massa e proximidade com sua anfitriã, mas agora que sabemos que está lá, é uma grande oportunidade para descobrir mais sobre esses planetas, e o que os torna tão grandes, mas tão esparsos ao mesmo tempo.

 

Nós pensamos que KELT-11b será um grande caso de teste para nos ajudar a entender o mecanismo que causa planetas inflados”, disse Pepper. Além disso, como a estrela anfitriã evoluiu para o ramo subgigante e está chegando ao fim de sua vida, esperamos que possamos estudar o comportamento dos sistemas planetários no estágio final da vida de sua estrela”, finalizou.

[ Science Alert ] [ Fotos: Reprodução / Science Alert ]