Astrônomos podem ter solucionado um dos maiores mistérios sobre a formação de buracos negros

de Merelyn Cerqueira 0

buracos-negros

Se você está se perguntado quais os maiores objetos do Universo, saiba que os buracos negros supermassivos são a resposta.

 

São 17 bilhões de massas solares concentradas no centro de uma galáxia. No entanto, um dos maiores mistérios que envolvem esses buracos fala sobre sua formação. Afinal, como será que eles ficam tão grandes? Conforme relatado pela Science Alert, durante anos, astrônomos têm debatido sobre a existência de dois cenários simples: eles já nascem grandes, ou começam pequenos, mas crescem em velocidades inimagináveis, que quebrariam nossa compreensão atual das leis da Física. Porém, e graças a novas pistas fornecidas pelo Telescópico Espacial Hubble, da NASA, podemos finalmente ter uma resposta.

 

Segundo os cientistas, foram vistas “sementes” de buracos negros, de cerca de 100 mil vezes a massa do Sol, e esses objetos poderiam ter originado o crescimento dos supermassivos. Entretanto, o que torna essa hipótese de “começou grande e cresceu” difícil de conciliar é o fato de que os físicos têm lutado para encontrar uma “semente” que seja grande o suficiente para alavancar o surgimento de um buraco negro supermassivo.

 

Dessa forma, faz mais sentido que essas sementes cresçam a partir de fusões entre pequenos buracos negros de até 100 massas solares. Os cientistas sugeriram que elas crescem a partir dos gases ao redor, e, assim que atingem um determinado tamanho, entram em colapso para formar um buraco negro ainda maior. Contudo, ninguém ainda foi capaz de explicar como esses pequenos buracos podem se unir e crescer rápido o suficiente para se tornarem massivos. Segundo eles, isso teria que acontecer em tempo para as primeiras aparições de objetos desse tipo no Universo – menos de 1 bilhão de anos após o Big Bang.

Os cientistas também apresentaram outra possibilidade: e se os buracos negros supermassivos fossem formados diretamente de nuvens de gás? Isso permitiria que eles nascessem grandes e crescessem cada vez mais. Para testar essa hipótese, a equipe utilizou os telescópios Hubble, Chandra e Spitzer para procurar potenciais sementes de buracos negros. A busca encontrou candidatos: dois objetos com 100 vezes a massa do Sol que se formaram diretamente de uma enorme nuvem de gás e entraram em colapso sozinhos.

 

Logo, as análises revelaram que essa poderia ser a verdadeira origem desses gigantes cósmicos. Isso porque, os buracos estavam se formando a partir dessas nuvens, saltando as “primeiras etapas de crescimento”. O que explicaria o poder de atingir uma massa tão grande em apenas 1 bilhão de anos após o Big Bang.

 

No entanto, conforme relatado pela Science Alert, ainda é muito cedo para dizer que esse é o berço original dos gigantes. Por isso, a equipe pretende realizar mais observações para verificar se essas duas sementes têm as propriedades esperadas para se tornaram buracos. O estudo será publicado na próxima edição da Monthly Notices of the Royal Astronomical Society.

[ Science Alert ] [ Fotos: Reprodução / Science Alert ]