A NASA viabilizou a missão de explorar um asteroide de metal que vale US$ 10.000 quatrilhões

de Julia Moretto 0

NASA-ASTEROIDE

Recentemente a NASA rastreou uma jornada planejada para Marte de 16 Psyche – um asteroide feito quase inteiramente de liga de ferro e níquel.

 

Estimado para conter US$ 10.000 quatrilhões em ferro, se pudéssemos retirar os minerais de Psyche e trazê-los para a Terra, colapsaria nossa economia global de US$ 78 trilhões. Pensando na estabilidade econômica do nosso planeta, a NASA planeja estudar, mas não extrair.

 

Nomeado de Psyche, uma figura humana na mitologia grega que ganhou imortalidade, 16 Psyche é um dos maiores asteroides que foram descobertos no cinturão de asteroides até agora – um disco de poeira localizado entre as órbitas de Marte e Júpiter.

Medindo 240 km de diâmetro, não é tão grande quanto alguns dos outros asteroides conhecidos do cinto. O maior, Ceres, tem um diâmetro de 945 km, mas Psyche parece ser o maior asteroide do cinturão com ferro exposto. Se a NASA tiver sucesso em sua missão, Psyche dará aos humanos a primeira chance de explorar um mundo feito de ferro.

 

A agência espacial anunciou originalmente que iria lançar sua missão em 2023, mas essa data foi adiantada para 2022. Porém, a sonda da NASA deve chegar ao asteroide metálico quatro anos antes do planejado, graças à descoberta de uma trajetória mais eficiente que levará a sonda ao seu destino até 2026.

 

Nós desafiamos a equipe de projeto da missão a explorar se uma data de lançamento anterior poderia fornecer uma trajetória mais eficiente para Psyche”, diz Jim Green, diretor da Divisão de Ciência Planetária da sede da NASA em Washington. “Isso nos permitirá cumprir nossos objetivos científicos antes e a um custo reduzido”.

 

Embora não seja claro como Psyche não possui qualquer revestimento rochoso ou gelado, os cientistas suspeitam que uma ou mais colisões maciças tenham retirado sua cros ta e manto de silicato, deixando apenas 10% de rocha de silicato na sua superfície.

 

A próxima questão é como o núcleo fundido dentro da crosta de silicato acabou solidificado.

 

Esta missão seria uma viagem no tempo para um dos primeiros períodos de acúmulo planetário, quando os primeiros corpos não só se diferenciavam, mas estavam sendo pulverizados, triturados e acometidos por colisões”, disseram Elkins-Tanton e sua equipe.

[ Science Alert ] [ Foto: Reprodução / Science Alert ]